Segundo Laporta, o clube teria rejeitado ofertas recentes de empresas cripto porque deseja desenvolver sua própria moeda digital.

No ano passado, o clube recusou o patrocínio de duas exchanges de criptomoedas.

Na época, a imprensa espanhola noticiou que a razão era que o clube considerava o negócio “antiético”. Além disso, eles classificaram os ativos digitais como “especulativos e arriscados”.

No final de 2021, o Barcelona anunciou sua primeira coleção de NFTs para retratar momentos épicos de seus quase 120 anos de história.

Mais recentemente, noticiou-se que a plataforma Polkadot havia feito uma proposta de patrocínio ao clube. No entanto, a parceria acabou não se concretizando.

Agora, Laporta revelou os planos do clube voltados ao mercado cripto. No evento Mobile World Congress, realizado em Barcelona nesta semana, o executivo destacou que considera a blockchain como uma ferramenta chave para a criação de serviços atraentes para os 300 milhões de fãs do clube em todo o mundo.

“Somos inovadores no uso e adaptação de tecnologias e continuaremos sendo”, afirmou. “Nos últimos tempos tem havido muita atenção aos produtos e serviços blockchain, como NFTs e metaverso… experiência emocional”.

Inovação por sobrevivência

instituição com mais de 120 anos de história, pertence sendo operado por seus torcedores. A governança do clube é construída em torno de 160.000 membros em vez de acionistas.

O clube precisa sempre inovar, disse Laporta:

“Não temos grandes corporações ou acionistas atrás de nós. Isso nos obriga a ser imaginativos, inovadores, corajosos e estar um passo à frente em muitas áreas que cercam a indústria do esporte.”

O bjetivo do FC Barcelona é ganhar títulos e deixar os torcedores felizes. O clube também precisa aproveitar as oportunidades na indústria do esporte. “É uma questão de sobrevivência”, completou.

Não está claro ainda quando será lançada tampouco para que a criptomoeda do Barcelona será usada na prática. Uma opção seria na forma de Fan Token, com os lançados pela Socios.com. Ou então, a criptomoeda poderia ser usada no pagamento de ingressos e itens do clube.