A situação no país deixou de se configurar como uma emergência, dispensando os poderes especiais. Nesse sentido, o primeiro-ministro se mostrou confiante de que as leis e exclusões existentes são suficientes para manter as pessoas seguras.

CAs contas bancárias congeladas serão novamente liberadas. Essa medida afetou tanto os caminhoneiros que estavam no protesto quanto cidadãos que doaram recursos para eles.

Os fundos doados em Bitcoin (BTC) ao chamado Comboio da Liberdade também serão descongelados. Pelo menos 34 endereços de criptomoedas foram vítimas de sanções com base na lei emergencial, conforme apurou o CriptoFácil.

A Ministra das Finanças do Canadá, Isabelle Jacques, também confirmou o fim da lei. Sua vice, Chrystia Freeland, esteve presente no anúncio

“A informação foi compartilhada pela Real Polícia Montada Canadense (RCMP) com instituições financeiras, e fomos informados ontem por instituições financeiras que eles estavam liberando as contas. A grande maioria delas está no processo de descongelamento, sujeito a qualquer nova informação que o RCMP possa ter”, disse Jacques.

Lei sem precedentes

A Lei de Emergências era prevista na constituição do Canadá, mas Trudeau foi o primeiro premier da história a invocar sua aplicação. Para conter os protestos no país, a lei concedeu a polícia mais poder para se mover contra os manifestantes.

No entanto, sua aplicação foi vista como uma reação desproporcional a um processo que, em sua maioria, era pacífico. A possibilidade de congelamento de contas foi a gota d’água para muitas pessoas e levou os manifestantes a utilizarem criptomoedas como alternativa.

Isso porque, a lei, plataformas de crowdfunding e provedores de pagamento ganharam poderes para bloquear fundos doados ao Comboio. Eles também deveriam reportar transações de alto valor para o Centro de Análise de Relatórios do Canadá (Fintrac).

Uma dessas plataformas foi a GoFundMe, que bloqueou milhões de dólares em doações. Como resultado, o protesto do caminhoneiro canadense se virou para o BTC e recebeu mais de 20 BTC de doações.

Jesse Powell, CEO da exchange Kraken, prometeu doar 1 BTC pela causa. Ele também recomendou que os usuários não guardassem criptomoedas nas exchanges, pois havia o risco do governo confiscá-las.