São Paulo contrata jogador com criptomoedas na América do Sul
São Paulo contrata jogador com criptomoedas
Business, Criptomoedas, News

São Paulo contrata jogador com criptomoedas na América do Sul

São Paulo contrata jogador com criptomoedas na aquisição dos direitos do jogador argentino Giuliano Galoppo, conforme apurou o CriptoFácil. A transação contou com a ajuda da exchange Bitso, patrocinadora do clube e dá nome a um dos camarotes do estádio do Morumbi.

Segundo o portal GE, o custo da contratação de Galoppo, incluindo taxas e comissões, gira em torno de 6 milhões de dólares (R$ 32 milhões). O São Paulo não confirmou o montante da operação, mas a Bitso confirmou que o clube utilizou criptomoedas para efetuar o pagamento.

Com isso, o São Paulo voltou a inovar neste mercado e realizou a primeira compra de um jogador utilizando criptomoedas. O clube aceitou criptomoedas como pagamento nos ingressos dos jogos em maio e foi o primeiro do país a vender um ingresso nessa modalidade.

São Paulo utilizou stablecoin para adquirir jogador.

Galoppo é meio-campista e considerado uma promessa pelo time do Banfield, da Argentina. Para adquirir o jogador, o São Paulo utilizou a stablecoin USDT no pagamento dos valores.

Em primeiro lugar, o clube tratou de reunir parceiros para arcar com o custo da contratação. Por ter uma dívida que ultrapassa os R$ 700 milhões, o tricolor não contava com recursos próprios para adquirir o jogador. Somente de direitos econômicos, o clube pagou cerca de US$ 4 milhões ao Banfield.

Depois, com os parceiros escolhidos, o São Paulo se ofereceu para pagar a aquisição de Galoppo em criptomoedas. Ambos os clubes escolheram a USDT como meio de pagamento, já que ela é lastreada no dólar e os contratos na Argentina são firmados em dólar.

“A gente compra uma criptomoeda que definimos o valor com o Banfield, com uma consultoria da Bitso. O Banfield abre uma conta na Bitso da Argentina e efetuamos a transferência através da criptomoeda”, explicou Eduardo Toni, diretor-executivo de marketing do Tricolor.

Para realizar a operação, a Bitso ofereceu todo o suporte ao clube na execução da transferência. Todos os valores foram pagos através da plataforma da exchange, que anunciou o fato em suas redes sociais. Os salários do jogador, contudo, serão pagos da forma tradicional, e não envolverão criptomoedas.

“A Bitso atuou para viabilizar a transação entre os times envolvidos, permitindo que a transferência ocorresse de forma rápida e segura, utilizando a stablecoin USDC. Este é grande exemplo de como temos trabalhado junto aos nossos parceiros para tornar as criptomoedas úteis e acessíveis para quaisquer modelos de transferência de valores, disse a exchange ao CriptoFácil.

Criptomoedas e futebol

O pagamento de criptomoedas a jogadores ainda é raro na América do Sul, mas já é visto com mais frequência na Europa. Quando o Paris Saint-German contratou o craque Messi no ano passado, pagou parte do valor da contratação usando seu fan token.

Aliás, até os fan tokens ainda estão dando seus primeiros passos no Brasil. Nesse sentido, o São Paulo é um dos clubes brasileiros que emitiu esse tipo de token. Por outro lado, clubes como o Vasco da Gama até já emitiram tokens que pagam aos seus detentores uma parte das vendas de jogadores do clube.

O CriptoFácil perguntou à Bitso se existem planos do São Paulo realizar novas contratações utilizando criptomoedas. A exchange não faz comentários nesse sentido, mas ressaltou a importância desta primeira transação.

“Acreditamos que a primeira transferência de um jogador de futebol na América do Sul utilizando criptomoedas é um passo importantíssimo neste sentido e sempre vamos trabalhar para que mais empresas, instituições e pessoas tenham a possibilidade de usar criptomoedas em suas transações”, disse.

Nós siga no instagram: @guiacripto.online

Posts relacionados

Deixe um comentário

Campos obrigatórios estão marcados *